Civil X Religioso, Conceitos Opostos?

Ao final da porção desta semana da Torá, Shemot, Moshê e Aharon vão ao Faraó exigir que liberte os Filhos de Israel do cativeiro. O Faraó respondeu: “Por que vocês, Moshê e Aharon, atrapalham o povo em seu trabalho? Vão tratar das suas tarefas!”

Nossos Sábios explicam que Moshê e Aharon, sendo membros da tribo de Levi, não precisavam trabalhar como o restante do povo judeu, e estavam isentos do amargo decreto da escravidão. O Faraó, na verdade, perguntou aos dois: “Por que se envolvem em assuntos que não lhes dizem respeito? Deixem os outros judeus continuarem seu trabalho, e não os atrapalhem.”

Por que os egípcios permitiram que uma tribo inteira de judeus ficasse isenta do terrível cativeiro forçado sobre os restantes?

Os egípcios reconheceram que cada nação deve ter seus líderes e professores a quem o povo pudesse se voltar em busca de orientação espiritual. O Faraó, portanto, permitiu que a tribo de Levi continuasse estudando Torá e disseminasse seus ensinamentos ao restante dos judeus. Era aceito como normal o fato de as autoridades espirituais terem um status mais elevado na sociedade.

Quando Moshê e Aharon foram ao Faraó exigir que toda a nação judaica pudesse partir do Egito, eles estavam discordando dessa noção comumente aceita. O Faraó, por sua vez, alegava que era suficiente que a classe superior, o clero, pudesse estudar Torá e cumprir o ritual judaico. O Faraó foi o proponente original da separação entre “religião” e estado.

O rei egípcio não objetou aos levitas estudarem Torá; ele não quis negar totalmente os anseios espirituais e intelectuais dos judeus. Ele buscava meramente perpetuar a opinião egípcia, que via os dois âmbitos, o civil e o religioso, como dois conceitos opostos.

Como líderes religiosos, Moshê e Aharon tinham uma certa autoridade no regime egípcio, sob a condição de que se limitassem à sinagoga e à yeshivá.

Quando Moshê e Aharon procuraram o Faraó com seu pedido, isso foi visto como uma contradição da ordem existente no mundo. Eles alegavam que o próprio objetivo da Torá era mostrar ao homem como conduzir sua vida diária, pessoal, e que suas leis eram aplicáveis a toda e cada faceta da existência de uma pessoa. Moshê e Aharon desafiaram radicalmente a divisão, feita pelo homem, entre aquilo que pertencia ao âmbito espiritual e o que estava fora da lei religiosa. A Torá não é limitada em escopo nem reservada para alguns poucos seletos.

Com isso podemos aprender o dever que cabe a todo judeu, ajudar outros judeus, mesmo se não estiverem pessoalmente ameaçados. Aharon e Moshê não se conformariam em permanecer nas tendas isoladas de estudo, se o restante dos judeus não pudessem participar. Pelo seu auto-sacrifício em prol da nação judaica, foram bem-sucedidos em terminar o exílio egípcio e em levar os judeus ao Monte Sinai.