A Parashat Devarim é sempre lida no Shabat Chazon (literalmente: “o Shabat da Visão”), o Shabat que antecede Tish’á BeAv, o dia nove do mês judaico de Av. Como não há coincidências no judaísmo, tem de haver, portanto, alguma ligação entre Parashat Devarim e o Shabat Chazon.

O Chumash Devarim é singular por ser o único dos cinco livros da Torá que foi transmitido por Moshê à geração dos judeus que estava prestes a entrar na Terra de Israel.

A geração dos judeus que vagaram pelo deserto é conhecida como “a geração do conhecimento”. Por estarem num nível espiritual tão elevado, que chegava a ser proporcional ao de Moshê, puderam ter uma existência totalmente espiritual. A geração que entrou em Israel, porém, iniciou um capítulo totalmente novo na história judaica. Por ter de ocupar-se com assuntos mais mundanos, seu nível espiritual é considerado inferior ao da geração que a antecedeu. Apesar de tudo, foi justamente a geração que entrou em Israel que pôde realizar o plano Divino.

D’us quer que O sirvamos dentro do contexto do mundo material, estabelecendo “uma morada” para Ele nos “mundos inferiores”. Por isso, embora os judeus que entraram em Israel fossem inferiores, em termos espirituais, comparados a seus pais, tinham certa vantagem sobre eles: os judeus que entraram em Israel conseguiram alcançar um nível de “paz e segurança” que a geração anterior não conseguiu.

Shabat Devarim é, portanto, a junção de dois opostos. Por um lado, a entrada dos judeus em Israel foi uma descida muito grande, pois significava contato diário com assuntos mundanos. Por outro lado, foi justamente por meio dessa descida que puderam atingir o mais elevado dos picos: o cumprimento do plano de D’us.

O Shabat Chazon é, também, repleto de contrastes. É durante os Nove Dias, uma época em que estamos de luto pela destruição do Bet Hamikdash. Mas ao mesmo tempo, como o famoso Rabi Levi Yitschak de Berditchev explicou, no Shabat Chazon todo judeu tem uma visão do Terceiro Bet Hamikdash, uma construção que será infinitamente superior aos dois Templos Sagrados que o precederam.

Portanto, o Shabat Chazon representa, como Devarim, o mesmo tipo de descida que leva a uma subida. É justamente através da descida que causou a destruição do Templo que chegaremos ao mais elevado dos pináculos: o estabelecimento do Terceiro Bet Hamikdash por Mashiach, que seja imediatamente.